segunda-feira, 2 de junho de 2008

Deus tomou meu filho para si

Aceitar a soberania, nem sempre é fácil. Mas para quem crê nele, faz-se necessário passar por esse teste.

O Patriarca Abraão tinha um único filho que era resultado de uma promessa divina. Em certo dia, o Senhor aparece a ele e lhe pede esse filho querido em sacrifício. Abraão lutou contra si mesmo e foi ao Monte do Sacrifício conduzindo Isaque para imolá-lo. Deus vendo seu desprendimento e fé, teve misericórdia daquele pai e impediu a execução do rapaz.

Sexta-feira passada, nos naceu um filho. Mas Deus o requisitou para si. Para mim, foi algo muito difícil e inusitado. Deus, na sua soberania, havia poupado nossa filha Jeiéli (a mais velha) de nascer com problemas de saúde. Ela poderia ter nascido com graves problemas, porque sua mãe teve toxoplasmose, durante a gravidez. Essa doença pode provocar diversas deficiência no feto.

Desta vez, a mesma soberania de Deus resolveu fazer diferente: levou nosso filho, com menos de 24 horas de nascido.

Como disse o Patriarca Jó nos seus momentos de aflição: "Deus o deu, Deus o tomou para si". Louvado seja o nome do Senhor!

Ore por nós! Estamos enfrentando muitas dificuldades para convencer nos dois filhos. Eles haviam criado uma expectativa muito grande a respeito da chegado do irmãozinho. E agora? Como fazê-los entender?

3 comentários:

Gildeon disse...

Cheguei ao seu blog através do "Upanema para Cristo". Gostei do que li. Você se expressa muito bem.

Me emocionei com seu texto sobre o bebê. Como é difícil falar algo nessas horas para quem tanto precisar e gostaria de ouvir. Mas quandoa lia, lembrava de um hino que muito gosto. Compartilho com você e família. Deus continuará vos abençoando.

Hino: VIVA ESPERANÇA (EYSHILA)

"Quando um problema vem
E quando um sonho se vai
Quando alguém me promete
E não cumpre jamais
Quando a bênção que espero não vem
E as respostas que eu busco ninguém tem
Clamo a Deus, clamo ao Pai
E Ele me enche de paz

Eu tenho viva, viva esperança
Eu tenho viva, viva esperança
Que dias melhores virão
Pois Deus tem de mim compaixão
Eu tenho viva esperança
Plena confianca, viva esperanca
No Deus da minha salvação".

Marta disse...

Eu também perdi minha primeira filha,com 5hs e meia de vida por anencefalia em 2002 e eu tive muita força em Deus mesmo e nunca saiu da minha mente a palavra de Jó.O Senhor o deu,o Senhor o tomou.Bendito seja o nome do Senhor.Devemos louvar sempre pq ele é o nosso consolo e guia e o único que pode nos ajudar a superar as adversidades.

Pr. Gessé Lourenço Barbosa disse...

Li agora o comentário e resolvi compartilhar da tristeza pela qual passa o autor.
Coincidentemente, há poucas horas, fui comunicado do passamento da esposa do meu pastor, que estava enferma ha mais ou menos 4 meses.
Também perdi uma filhinha com 4 anos e 4 meses, além do sofrimento de tê-la visto enferma durante praticamente todo o seu período de vida.
Posso te afirmar, que ao passarmos por isto,nosso Deus usa o tempo como o melhor remédio pra curar a nossa dor.
Com o passar dos dias, ficará apenas a cicatriz (nunca conseguiremos esquecer), mas já não doerá mais.
Confie em Deus, ele nos ama, mesmo que às vêzes não compreendemos.
Abraços.